Banner topo divulga%c3%87%c3%83o

Compre casa

CULTURA

Lançados novos volumes da trilogia “O guerreiro solitário”

As obras resgatam o olhar do autor sobre a história econômica, política, social e cultural de Toledo

06/12/2017 - 20:14

  • Avelino campagnolo 6

O lançamento de dois outros volumes da trilogia “O guerreiro solitário” aconteceu na última sexta-feira (1), no Auditório do Colégio La Salle e contou com a participação de autoridades, amigos e familiares.

As duas novas obras, a exemplo da publicação anterior, resgatam a trajetória do médico, fundador e diretor do Hospital Dr. Campagnolo e ex-prefeito, Dr. Avelino, reproduzindo seus relatos, recordações e manifestações inéditas, além de depoimentos de autoridades e lideranças, sobre fatos e iniciativas que marcaram a história política e a própria evolução econômica, social e cultural de Toledo e região. O 1º volume foi lançado em julho do ano passado, no Teatro Municipal.

Durante a solenidade, o vice-prefeito e secretário municipal da Cultura, Tita Furlan, destacou a expansão da cultura de Toledo, especialmente no ramo literário, elogiando a iniciativa do Dr. Avelino de relatar suas memórias para o conhecimento e aprendizado das novas gerações, o que representa mais uma contribuição importante para o desenvolvimento econômico, social e cultural de Toledo e região.

O organizador das obras, escritor Bruno Marcos Radunz, destacou que o trabalho da equipe responsável pela trilogia “O guerreiro solitário”, iniciou há seis anos, com a gravação de depoimentos do personagem nas manhãs de domingo, produção e revisão de textos, seleção de fotografias, elaboração de projetos gráficos e finalmente a edição e impressão dos livros.

Radunz  se diz honrado por ter sido convidado pelo Dr. Avelino para iniciar e coordenar as tarefas, que mais tarde passaram a contar com a participação do também médico Sérgio Avelino Campagnolo, filho do autor. Também participou do projeto o escritor, poeta e jornalista Alberto Martins da Costa, além da colaboração de toda a família, amigos e autoridades da cidade e região. “São obras produzidas a oito mãos e muita colaboração”, observou Radunz.

O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, prestigiou o lançamento e destacou o desenvolvimento agropecuário e agroindustrial de Toledo. “É fruto da dedicação e competência de seus colonizadores e produtores atuais, além da visão de suas lideranças e governantes”.

O Dr. Avelino recordou acontecimentos singulares da história  de Toledo e do Oeste do Paraná, muitos dos quais resgatados nas publicações. Entre os episódios citados esteve o encontro do padre Antonio Patuí com cerca de 90 colonizadores, que assustados com os ataques do mosquito borrachudo e demais dificuldades enfrentadas na ocupação do Oeste do Paraná, pretendiam retornar ao Rio Grande do Sul, mesmo perdendo o dinheiro investido na compra de terras.

O religioso os reuniu em frente da então capela do Cristo Rei, onde se situa a Praça Willy Barth e depois de celebrar missa especial e pedir bênçãos a todos, conclamou os desbravadores a levar adiante a sua empreitada, pois o mais difícil já havia sido superado e dentro em breve todos seriam compensados pela coragem e trabalho coletivos. Todos então se abraçaram e decidiram continuar em Toledo, lembra Dr. Avelino.

Mais adiante, com o processo de colonização mais adiantado, mas ainda com estradas abertas na mata e sem nenhum tipo de pavimentação, o trânsito de veículos era muito difícil nos períodos de chuva e dias seguintes, pois a árvores frondosas da mata densa das margens impediam a passagem do sol e a evaporação mais rápida da umidade do solo.

Como pessoas que desconheciam essas dificuldades tentavam seguir em direção ao Porto Britânia com qualquer tempo, atolando os veículos logo em seguida, mesmo se tratando de Jeeps com tração nas quatro rodas, o que exigia socorro dos moradores próximos, as lideranças decidiram colocar um correntão com cadeado entre duas árvores, na entrada da então vila de Toledo, para impedir o tráfego nos períodos chuvosos, reduzindo o problema da época. 

 

Conteúdo das obras

 

O 2º volume da trilogia tem 360 páginas e está ilustrado com dezenas de fotografias e reprodução de documentos, resgatando a história e feitos de desbravadores e lideranças, além de fatos pitorescos, da evolução econômica e social de Toledo, com o testemunho pessoal, conhecimento detalhado, visão peculiar e humor característico do Dr. Avelino.  

Na obra estão lembranças do saudoso pai Santo Campagnolo, o apoio da esposa Inez Luiza Campagnolo, recordações do Curso de Medicina, episódios da política partidária de Toledo, tratamentos difíceis de pacientes e ações das gestões dos ex-prefeitos Egon Pudell, Wilson Carlos Kuhn, Ivo Alves da Rocha, Duílio Genari, Derli Antonio Donin e José Carlos Schiavinato.

Da mesma forma, o episódio que envolveu o então vereador Irineu Agnes; a colonização de municípios Marechal Cândido Rondon, Assis Chateaubriand e São Pedro do Iguaçu; a evolução de localidades como Nova Concórdia, Vila Nova, Vila Ipiranga, Xaxim e Cerro da Lola; e os pedidos encaminhados ao ex-presidente Emílio Garrastazu Médici e aos ex-governadores Haroldo Léon Peres e Ney Braga.

O mesmo ocorre com; recordações de personagens históricas, como Alfredo Zibetti, Arthur Longen, Oscar Silva, Friedrich Isenberg e Hermínio Nichetti e depoimentos pessoais dos ex-prefeitos Derli Antonio Donin, Albino Corazza Neto e Beto Lunitti, do ex-vice-prefeitos Ascânio Butzge e Adelar Holsbach, do ex-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Toledo (Acit), Wolmir Tadeu Ficagna e do professor Ildo Bombardelli.

Outros temas abordados são a Festa do Porco no Rolete, a Expo-Toledo, Agência dos Correios e Telégrafos, Unimed Costa Oeste, Carnaval de Toledo e Ponte da Amizade, a reportagem polêmica da revista O Cruzeiro e a rejeição a títulos de cidadania honorária, entre diversos outros fatos curiosos.     

A 3ª obra, com 332 páginas e dezenas de fotos, traz a trajetória de figuras importantes da história de Toledo, depoimentos de testemunhas oculares dessa caminhada e justas homenagens a pessoas que muito contribuíram para a construção do desenvolvimento agropecuário, industrial, comercial, do setor de prestação de serviços e da geração de conhecimentos, do município e região.

Na obra estão relatos dos feitos de Willy Barth, Diva Paim Barth, Alfredo Paschoal Ruaro, Egon Pudell, Wilson Carlos Kuhn, Angelo Pancera, Ariberto Hofstaeter, Attílio Donato Dalla Costa, dom Armando Círio, Edílio Ferreira, Henrique Isernhagen, Ivo Welter, Joaquim Piazza, Lourenço João Menti, Natal Romann, Luís Fritzen, Olivo Beal, padre Santo Pelizzer, Rubi Cassel, Roldão Fazzolari, Waldemar Pydd, Ismael Sperafico, Waldemar Rossoni, Euclides Anschau, Narciso Antônio Casarotto, Duílio Genari, Delvo Baldin, Ivo Alves da Rocha, Lamartine Braga Cortes, Orlando dos Santos, Irineu Agnes, irmã Luiza Menin, Alcides Donin e Érico Prochnau,.

Outros episódios lembrados são as batalhas radiofônicas, a polêmica da rádio FM de Toledo, conquistas das localidades de Sol Nascente e Dois Irmãos, a política de Ouro Verde do Oeste, aventura rumo ao Oeste do Paraná, empresa Matte Laranjeira e depoimento pessoal do vereador Leoclides Bisognin.  

Desde o lançamento, os volumes dois e três da trilogia “O guerreiro solitário” estarão disponíveis em bibliotecas públicas e à venda nas principais livrarias da cidade. Conforme o autor novos volumes da trilogia poderão ser lançados no futuro próximo, pois já há material resgatado, mas ainda não há datas para o seu lançamento.