Banner 1144x150 px

SAÚDE

Osteopatia neonatal: atendimento preventivo no Huop ajuda na amamentação

O atendimento é o melhor método para que a mãe não desista da amamentação e é importante para diagnosticar possíveis prejuízos no desenvolvimento da criança
27/10/2021 - 09:42


Amamentação é muitas vezes um desafio para as mães, e pensando nisso, o Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Huop), começou a atuar de forma preventiva com a osteopatia neonatal na maternidade. O objetivo é identificar possíveis alterações de mobilidade que possam causar essa dificuldade. 

"Boa parte dos bebês que possuem dificuldade na amamentação apresentam alterações de mobilidade, e isso influencia no desconforto da criança e da mãe”, afirma o fisioterapeuta, José Vilagra. De acordo com ele, mais da metade das mães que possuem dificuldade conseguem melhorar essa condição apenas com um atendimento, ainda durante o internamento na maternidade. “Trabalhamos identificando quais são os bebês que possuem esses problemas que podem ser corrigidos com a osteopatia, trabalhando para melhorar a condição mecânica dessa criança que possa facilitar o posicionamento durante a amamentação. Boa parte dos bebês não possuem outro problema associado e, por isso, com apenas um único atendimento já é possível observar melhora”, ressalta.

O atendimento preventivo, de acordo com o fisioterapeuta, é o melhor método para que a mãe não desista da amamentação, além disso, é importante para diagnosticar possíveis prejuízos no desenvolvimento da criança. “Uma avaliação preventiva é essencial para que essa mãe tenha todo o suporte necessário para continuar amamentando, e ainda, avaliar qualquer outra alteração que possa trazer prejuízo no desenvolvimento da criança. O objetivo desse atendimento de modo preventivo é intervir o quanto antes para que esses bebês não precisem de outro atendimento posterior”, comenta.
 
Esse primeiro atendimento é realizado ainda na maternidade do Huop, no entanto, constatado a necessidade da continuidade do atendimento com osteopata, os bebês são encaminhados através do serviço no Centro de Atenção e Pesquisa em Anomalias Crânio Faciais (Ceapac), onde continuam o atendimento ambulatorial. “Durante a avaliação podemos verificar possíveis alterações, como a plagiocefalia, uma deformidade craniana, que deve ser tratada o quanto antes para que não haja prejuízos no desenvolvimento posterior da criança. Essa avaliação é necessária também nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, pois a plagiocefalia pode ser uma condição dessa internação. Por isso, ressalto, é importante o atendimento preventivo, para avaliar e identificar qualquer alteração o quanto antes”, explica Vilagra.
01   casa de not%c3%adcias 01 %281%29