-

Compre casa

SAÚDE

Esquadrão de Heróis da UCP ajuda a salvar vidas na fronteira

O grupo já tem cerca de 250 universitários voluntários que farão doações diáriasO grupo já tem cerca de 250 universitários voluntários que farão doações diárias

11/10/2018 - 08:30


  • Ucp 2

Cerca de 300 mil pessoas da fronteira entre o Brasil e o Paraguai e que precisam do Banco de Sangue do Hemocentro de Ponta Porã passam a contar com um reforço muito importante é o, o Esquadrão de Heróis da Universidad Central do Paraguay (UCP) que fará doações regulares para manter o estoque de hemoderivados abastecido. 

O grupo já tem cerca de 250 universitários voluntários que farão doações diárias e durante as campanhas em épocas de maior procura com ao final do ano e no carnaval quando aumenta a procura. 

Para abastecer o Hemocentro de Ponta Porã seriam necessárias cerca de 400 bolsas por mês, mas apenas a metade disso é conseguida e o reforço do Esquadrão de Heróis será importante no aumento da demanda a partir de agora. 

Segundo os diretores do Hemocentro quando há uma procura muito grande existe a falta do produto e eles são obrigados a apelar para cidades como Dourados e Campo Grande para suprir a necessidade e agora com o aporte dos universitários da UCP são possível que haja um estoque maior do produtos e a reposição será mais fácil e rápida. 

De acordo com a professora doutora Cynthia Ovandro, esta foi a forma que a UCP encontrou de mobilizar seus acadêmicos e dar uma resposta para um problema que atingem brasileiros e paraguaios que precisam de atendimento médico nos hospitais de •Ponta Porã e Pedro Juan Caballero. “Vamos tentar ampliar o número de voluntários e manter um cronograma regular de doações para abastecer o hemocentro e em breve a falta de sangue será coisa do passado aqui na nossa região”, disse ela. 

A universitária Drieli Rodrigues, que fez parte das primeiras turmas de voluntários do Esquadrão de Heróis, disse que se sentiu muito bem por ter a oportunidade de ajudar o próximo e que a sensação de pode ajudar a salvar vidas é indescritível. “Foi uma experiência muito boa e espero que o número de voluntários aumente dentro da universidade e que isso desperte na sociedade acadêmica a vontade de ajudar também”, falou ela durante a doação.