Casa de noticias 794x80px

Compre casa

CULTURA

Sanepar abre exposição de arte de mulheres negras

Espaço aberto ao público reúne, em Curitiba, obras do Coletivo Ero Erê, que visa dar mais visibilidade à artista negra

29/11/2018 - 14:02


  • Exposi%c3%a7%c3%a3o sanepar aen

    Foto: AEN/Assessoria

A Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) abriu nesta quarta-feira (28), em Curitiba, a Exposição Ero Erê: Mulheres Artistas, com obras de sete artistas negras. São oito trabalhos, entre pinturas, fotografias, assemblage e instalação têxtil. A exposição está aberta ao público, na Sala Engenheiro Tadeu Wantroba, na sede da Sanepar, Rua Engenheiro Rebouças, 1376. O horário de visitação é das 8h às 17, de segunda à sexta-feira, até 28 de fevereiro.

Ao abrir o espaço para essas artistas, a Sanepar reafirma o compromisso com a equidade de gênero, explica o coordenador de Patrimônio Histórico da Sanepar, Junio Ferreira Lima. Além disso, a exposição marca as atividades do Mês da Consciência Negra. Simultaneamente, o Coletivo Ero Erê está com exposições na sede da Secretaria de Estado da Educação e no Museu Paranaense.

A artista e curadora da exposição Walkyria Novais, que trabalha na Coordenação de Museu e nos Centros de Educação Socioambiental da Sanepar, afirma que as obras escolhidas além da qualidade estética são resultado de uma pesquisa em arte. “O nosso grupo é bastante diverso porque cada uma tem a sua ocupação profissional, mas somos mulheres negras que temos a arte como foco em nossa vida”, afirmaa. Ela tem formação em Artes e especialização em História da Arte e Curadoria. Walkyria faz pintura com uso de tintas naturais e utiliza material reciclável, como lonas e banners.

“Expor de forma coletiva fortalece o nosso grupo e o nosso propósito de dar mais visibilidade a um trabalho voltado à comunidade negra, às mulheres”, disse a jornalista e fotógrafa Fernanda Castro. Com exposição em vários países, Fernanda Castro faz vários registros fotográficos de mulheres, da cultura, religiosidade e comunidades negras, como a exposição Comunidade Quilombolas do Paraná.

A artista Cláudia Lara já participou de várias exposições coletivas e individuais no Paraná, São Paulo, Paraíba, Portugal, França, Cuba, Nova York, México, Peru e Argentina. Já teve obra premiada em primeiro lugar na “Exposition Biennale d’Art Contemporain Brésilien Et Latino Américain”, em Paris.

Elis Brasil é graduanda em Artes e desenvolve pesquisa sobre a invisibilidade artística e intelectual da mulher negra na história da arte. Ela faz pintura, gravura e escultura e também utiliza tecidos como suporte artístico.

Kênia Cristina tem a produção focada na pintura da figura feminina negra sobre materiais rejeitados com um olhar subjetivo e acolhedor sobre essas mulheres.

Lana Furtado trabalha com fotografia de famílias, retratos femininos, paisagens, fotografia documental e autoral. Ela desenvolve um projeto de fotografia com mulheres apenadas do Presídio Feminino de Piraquara.

Lourdes Duarte, formada em Artes Visuais, faz pinturas que buscam o resgate de memórias da infância. Tem especialização em Arte Inclusão na Educação Especial.

 

Fonte: AEN