Banner topo divulga%c3%87%c3%83o

Compre casa

DESENVOLVIMENTO

Parceria com empresa alemã poderá tornar Toledo referência em biogás

A sustentabilidade e o tratamento material de forma correta dará a possibilidade para o crescimento da atividade da suinocultura e outras atividades do agronegócio

09/01/2019 - 14:08


  • Empresa biog%c3%a1s michael juliano

    Foto: Michael Juliano/SeCom

Toledo recebeu no início desta semana a visita dos representantes da empresa alemã de biogás, Me-Le, que trabalha há mais de 20 anos na confecção de equipamentos de usinas biogás de porte grande. Com investimentos de aproximadamente 10 milhões de euros em cada unidade, a empresa negocia uma parceria com uma empresa local para implantar um estabelecimento fixo no município de Toledo.  

O Secretário da pasta de Meio Ambiente, Neudi Mosconi, explica que a reunião teve como objetivo mostrar a empresa o potencial do município, se referindo ao aproveitamento dos dejetos suínos e de aves. “A partir disso os projetos para geração de energia elétrica a partir do biogás será uma nova atividade econômica possível para a nossa cidade. A sustentabilidade e o tratamento material de forma correta dará a possibilidade para o crescimento da atividade da suinocultura e outras atividades do agro de forma segurança para o meio ambiente”.

A primeira usina de biogás será bancada pelos recursos da Itaipu, porém precisamos implementar  novas usinas. “A empresa tem créditos aprovados junto ao banco de desenvolvimento alemão, com possibilidade de financiamento dessas unidades por até 20 anos, com juros de 2,5% ao ano. Essas possibilidades também são possíveis, mas estamos buscando mecanismos para encurtamos o tempo de implementação das demais unidades de geração de energia, dos dejetos suínos”, informa Mosconi.

O Secretário de Meio Ambiente, Neudi Mosconi, ressalta que será tratado com o governo do estado para aumentar a isenção do ICMS, implementando de oito a 10 usinas, economicamente são situações mais viáveis.  “São os caminhos que estamos buscando para acelerar o processo de implementação, possibilitar a expansão da atividade da suinocultura e da avicultura, tratando esse passivo ambiental, resolvendo o risco de sanidade, passando por tratamento de patógenos”.