Banner topo divulga%c3%87%c3%83o

Compassion 857747 1920

ECONOMIA

Clima influencia queda em produtos da Cesta Básica

Entre junho e julho de 2019, houve tendência nacional de queda nos preços do feijão, do tomate, da banana e do óleo de soja.

16/08/2019 - 18:45


  • Reducao comida

Segundo dados levantados pelo projeto de extensão “Determinação Mensal do custo de Cesta Básica de alimentação em Cascavel-PR” da Universidade Estadual do Oeste do Paraná  (Unioeste) no mês de julho, o valor da Cesta Básica individual de alimentos, no município de Cascavel, comparado ao mês anterior, sofreu uma queda de 2,05% passando de R$ 377,49 para R$ 369,74.

A pesquisa analisou treze alimentos. Desses, sete apresentaram queda de preço, o tomate (7,93%), a batata (10,54%), a banana (4,30%), feijão preto (3,33%), café em pó (2,70%), óleo de soja (1,84%) e o açúcar (0,34%) foram os mais significativos. De acordo com o Departamento, entre junho e julho de 2019, houve tendência nacional de queda nos preços do feijão, do tomate, da banana e do óleo de soja.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a redução dos preços da batata e do tomate é consequência das condições climática, ou seja, as temperaturas mais altas favorecem o desenvolvimento dos produtos e a oferta aumentou, provocando uma diminuição nos preços para varejo.

Por outro lado, alguns produtos apresentaram elevação nos preços; em nível nacional, os preços do arroz agulhinha e do açúcar aumentaram na maior parte das cidades: Segundo o DIEESE, o preço do arroz agulhinha aumentou em 13 cidades. As taxas variaram entre 0,26%, em Fortaleza, e 4,40%, em Florianópolis. Quanto ao açúcar, o preço do produto subiu em 11 cidades e as taxas variaram entre 0,44%, em Fortaleza, e 5,96%, em Natal.

Em Cascavel, os itens que registraram maior variação o positiva foram: pão francês (5,74%) e a margarina (4,49%). Já os itens com menor variação o positiva foram: arroz (0,40%), farinha de trigo (0,24%) e a carne (0,14%).

A queda do valor da Cesta Básica individual de alimentos, em Cascavel fez com que o peso da Cesta no Salário Mínimo Bruto do trabalhador passasse de 37,82% em junho para 37,05% em julho. Já o percentual em relação ao Salário Mínimo Líquido diminuiu de 41,11% para 40,27%. Portanto, diferentemente do mês de junho, houve um aumento no poder de compra do trabalhador

Na região Sudoeste do Paraná e nas capitais selecionadas, os produtos da Cesta Básica também registraram queda: em Pato Branco, de 8,23%; em Dois Vizinhos, 4,67%; em Floriano polis, 2,38%; e, em SãoPaulo, 1,70%. Nota-se que o valor da Cesta Básica em Cascavel continua significativamente menor que o de grandes capitais como São Paulo, Porto Alegre, Floriano polis e Curitiba. Neste mês, o valor da Cesta Básica de Alimentação em Porto Alegre (R$ 493,22) superou o valor registrado em São Paulo (R$ 493,16).

A queda de 2,05% no valor da Cesta Básica Individual também provocou uma diminuição na mesma proporção no valor da Cesta Básica Familiar que passou de R$1.132,46 em junho para R$1.109,22 em julho. Dessa forma, o Salário Mínimo necessário para a compra de alimentos e outros itens básicos para uma família de dois adultos e duas crianças em Cascavel caiu de R$3.171,28 em junho para R$3.106,19. Considerando a queda no valor da Cesta Básica em termos nacionais, o Salário Mínimo necessário nacional caiu de R$4.214,62 para R$ 4.143,55 no mesmo período.

O movimento de queda também foi observado em todas as capitais brasileiras. Segundo o Departamento, as principais quedas foram registradas em Aracaju (6,04%), Natal (4,02%), Rio de Janeiro (3,89%) e Recife (3,81%).