Banner topo divulga%c3%87%c3%83o

Compassion 857747 1920

TECNOLOGIA

Brasília adota sistema de compartilhamento de veículos do PTI

Pelo projeto Vem DF, 300 servidores públicos do Distrito Federal vão compartilhar 12 Twizy, resultando em economia de dinheiro público e benefícios ao meio ambiente

08/10/2019 - 11:34
Por Assessoria de Imprensa


  • Lancamento eduardogarrido

    Crédito: Paula Fettermann/ABDI

  • Lancamento vemdf

    Crédito: Paula Fettermann/ABDI

Os recém-chegados Twizy - modelo de veículo elétrico da Renault - em Brasília, no Distrito Federal - despertaram o interesse e a curiosidade, especialmente dos servidores públicos, ansiosos por utilizá-los.

Charmoso e compacto - o Twizy lembra um “bug” e pode comportar até duas pessoas -, o carrinho pode chegar a uma velocidade de 80 km/h e tem autonomia para rodar até 100 quilômetros com uma carga de bateria.

Inicialmente, os 12 Twizy que fazem parte do projeto Veículo para Eletromobilidade - Vem DF, uma parceria entre o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Governo do Distrito Federal, poderão ser utilizados por 300 servidores do Distrito Federal, para deslocamentos na região central.

O Vem DF, primeiro projeto para compartilhamento de frota pública do País, foi lançado nesta segunda-feira (07), no Palácio do Buriti, em Brasília. Além dos Twizy, a cidade também recebe 35 eletropostos, com capacidade para carregar de forma simultânea 70 carros, que poderão ser usados de forma gratuita por veículos de qualquer montadora. A intenção é que essa iniciativa difunda o uso de veículos elétricos e o conceito de mobilidade sustentável.

Na solenidade de lançamento, o diretor superintendente do Parque Tecnológico, General Eduardo Castanheira Garrido Alves, explicou que o aplicativo utilizado para o compartilhamento dos carros, o MoVe,  foi desenvolvido pelo Parque Tecnológico Itaipu. Além de permitir saber onde estão estacionados os veículos e fazer reservas, o software possibilita a visualização dos trajetos feitos e a quantidade de gás carbônico que deixou de ser emitida, em comparação com os carros a combustão.

“Esse projeto representa um bem para o meio ambiente, uma vez que toneladas de gás carbônico deixarão de ser emitidas”, afirmou Garrido. Ainda segundo o diretor, o Vem DF também é uma oportunidade para que outros Estados e municípios possam acompanhar o andamento do projeto, promover discussões e até replicar a iniciativa.

O investimento total do projeto foi de R$ 3,1 milhões, sendo R$ 2,1 milhões da ABDI, utilizados na compra dos carros e dos eletropostos, e R$ 1 milhão do PTI, com o desenvolvimento do software. Para o governador do DF, Ibaneis Rocha, dar suporte a essa iniciativa mostra a preocupação do governo com o desenvolvimento.

“Somente através das tecnologias vamos atingir a vida das pessoas que mais precisam”, declarou o governador. Ibaneis comentou o papel do PTI, que disse ter visitado à época em que era diretor da Ordem dos Advogados (OAB). De acordo com ele, o Parque Tecnológico tem muito a contribuir não apenas com Brasília, “mas com o Brasil como um todo nessa parte de tecnologia”.

O presidente da ABDI, Igor Calvet, citou três benefícios do projeto: a difusão da tecnologia para consequente redução da emissão de gás carbônico à atmosfera, o uso de tecnologia para a redução de gastos públicos, e o desenvolvimento de novos modelos de negócios.

“Veículo elétrico não é o futuro, já é uma realidade”, pontuou o presidente da Renault do Brasil, Ricardo Gondo. O Parque Tecnológico Itaipu já possuía um acordo de cooperação com a empresa para o desenvolvimento de ferramentas e soluções na área de mobilidade sustentável, por meio do qual opera, desde o final de 2016, um sistema de compartilhamento de veículos na área do Parque. “Essa experiência foi fundamental para viabilizar o projeto em Brasília.