Banner topo divulga%c3%87%c3%83o

Compassion 857747 1920

EMPREENDEDORISMO

Startups de incubadoras apoiadas pelo Sebrae/PR geraram quase 20 vezes o valor investido

Nos últimos quatro anos, cada real aportado gerou outros R$ 19,50 de faturamento nos empreendimentos, somando mais de R$ 66 milhões

24/02/2020 - 13:27
Por Savannahh Comunicação Corporativa


  • Startups de incubadoras apoiadas pelo sebrae pr geraram quase 20 vezes o valor investido tog design

    A TOG Design, de Dois Vizinhos, tem clientes em Portugal (crédito da foto - Divulgação)

  • Startups de incubadoras apoiadas pelo sebrae pr geraram quase 20 vezes o valor investido 33 robotics

    Alvarez (à esquerda) com parte da equipe da 33 Robotics (crédito - Divulgação)

O Sebrae/PR divulgou análise dos resultados do Programa de Incubadoras no Paraná, no período de 2016 a 2019. Os indicadores, obtidos após levantamento com as 17 incubadoras de 14 cidades, são estimulantes. O retorno operacional do investimento (ROI) sobre o faturamento das startups que passaram pela incubação foi de R$ 19,50 para cada R$ 1,00 investido pelo Sebrae/PR.

Nos impostos, as startups incubadas recolheram R$ 1,39 para cada real investido pelo Sebrae/PR, nos quatro anos. Ou seja, retornou aos cofres públicos 39% a mais do que foi investido no período. O custo para geração de um novo emprego de base tecnológica criado nas incubadoras foi de R$ 10.429,00 em quatro anos de investimento.

Aloísio Aleixo Pereira Cerqueira, gestor do Programa de Incubadoras do Sebrae/PR, observa que os indicadores demonstram a importância delas para o desenvolvimento das startups. Segundo ele, esses ambientes são propícios para melhorar a performance de empresas, que mesmo em estágio inicial retornam às esferas municipal, estadual e federal o valor investido por meio do recolhimento de impostos já durante o ciclo de incubação. Também trazem benefícios para a sociedade por meio de geração de empregos de alto valor agregado nos municípios em que estão localizadas.

“As incubadoras acolhem e apoiam todo tipo de empreendedor, sem restrição, e enfrentam dificuldades de se manter, financeiramente. São ambientes em que os gestores, corajosamente, acreditam no apoio que dão aos projetos incubados e, por esse motivo, vêm transformando a realidade de muitos jovens empreendedores”, analisa Cerqueira.

No Estado, o Programa de Incubadoras do Sebrae/PR apoia 14 cidades: Incubadora Tecnológica de Guarapuava (Integ); Incubadora de Negócios Tecnológicos da UFPR; Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da UEL (Intuel), de Londrina; Fundação Educere de Campo Mourão; Incubadora Tecnológica de Maringá; Incubadora Findex de Francisco Beltrão; Incubadora Tecnológica Sudotec, de Dois Vizinhos; Centro Incubador Tecnológico Fundetec, de Cascavel;  Incubadora Municipal Bernardino Zelindo Barbieri, de Palotina; Incubadora Santos Dumont, Foz do Iguaçu; Aceleradora Sistema Fiep; Incubadora Tecnológica do Tecpar; e as Incubadoras da UTFPR em Curitiba, Pato Branco, Cornélio Procópio, Medianeira e Ponta Grossa.

Em Curitiba, a Aceleradora Sistema Fiep apoia 23 empreendimentos, além de outros projetos. O programa de aceleração tem fluxo contínuo e duração de um ano. Nos últimos oito anos, 15 empresas foram graduadas. Após 12 meses de carência, cada empresa tem que retornar 2% da receita líquida pelo período que ficou acelerada.

“Em 2018, foram gerados mais de 60 empregos. E, além de apoiar novas iniciativas, a Aceleradora atende às indústrias por meio da conexão com a startups, que apresentam soluções para os desafios do segmento”, explica Priscila Tie Assahida Moreira, consultora da Aceleradora Sistema Fiep.

Priscila ressalta a importância do Programa de Incubadoras para alcançar resultados. “O Sebrae é um grande apoiador por facilitar acesso, capacitação e mentoria qualificada no apoio às startups”, analisa.

Robotização

A 33 Robotics será graduada na Aceleradora Sistema Fiep no início do próximo semestre. A startup fornece soluções em unidades robóticas para o transporte autônomo de cargas em ambientes fechados, ou seja, robotiza equipamentos já existentes na indústria, transformando-os em autônomos. O empreendimento está entre os cem mais atraentes para o mercado no ranque elaborado pelo Movimento 100 Open Startups.

Leonardo Alvarez, da 33 Robotics, conta que a startup “vive os mundos do Sebrae, Fiep e Senai”. “O Sebrae nos descobriu, nos capacitou e nos fomentou. Foi fundamental. E agregamos a Fiep, que nos homologa como empreendimento, com sua credibilidade. A Fiep nos abriu portas”, resume Alvarez, uruguaio radicado no Brasil há 37 anos.

Os resultados têm aparecido: há dois anos, a 33 Robotics tinha dois funcionários; atualmente, são 15 colaboradores que trabalham no desenvolvimento de um novo robô, para atender à Embraco, empresa de compressores em Joinville (SC). Outras grandes indústrias nacionais estão em negociação e há o interesse de investidores em apoiar a startup.

Resultados no interior

Em Dois Vizinhos, a Incubadora Tecnológica da Associação para o Desenvolvimento Tecnológico do Sudoeste do Paraná (Sudotec) registra números expressivos. Apenas em 2019, somando as sete empresas incubadas (três delas foram graduadas no final do ano), o faturamento chegou a R$ 1.029.000,00. A média dos últimos três anos está em R$ 1 milhão.

“As empresas geraram 35 postos de trabalho diretos e algumas atendem clientes no Brasil e até no exterior. A arrecadação de impostos municipais e federais foi cerca de R$ 87 mil”, relata Marinete Camilo, coordenadora da Incubadora Tecnológica da Sudotec.

“O aporte de recursos do Sebrae nos permite participar da ReinovaPR [Rede Paranaense de Incubadoras e Aceleradoras de Empreendimentos Inovadores] e contribui com consultorias nas mais diversas áreas. Sem a parceria, a entidade não teria condições de ofertar os recursos vigentes”, completa Marinete.

Na Europa

A TOG Design é uma empresa graduada na Incubadora Tecnológica da Sudotec. Atualmente, a startup conta dez colaboradores e o proprietário, Rafael Citadela Daron divide-se entre a sede, em Dois Vizinhos, e o escritório de Lisboa, Portugal.

Para Daron, o período na incubadora foi fundamental para o sucesso da TOG. “Acredito que qualquer jornada agrega na caminhada da gente. Não estaríamos aqui se não tivéssemos passado por lá. Além das capacitações, inclusive do Sebrae, tivemos o benefício de redução de custos. Uma empresa que está começando e não tem apoio tem que lidar com aluguel, valor de internet e outros custos que encarecem o processo.”

A empresa de Daron colabora com outras startups no processo de desenvolvimento de produtos. No exterior, já esteve envolvida em projetos na Itália, Bélgica, Reino Unido, Estados Unidos e Índia. Também teve clientes como a Renault e a Nissan, em Portugal.