ESPORTES

Unioeste: Fundação Araucária aprova Projeto Futuro do Judô que completa 23 anos

O projeto oferece treinos gratuitos para estudantes de escolas estaduais, buscando oportunizar o judô como prática, não só de esporte e lazer

26/11/2020 - 13:49
Por Assessoria


Neste ano, o projeto Futuro do Judô da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) completa 23 anos de atendimento à comunidade de Marechal Cândido Rondon. No último dia 12, o projeto foi aprovado pela Fundação Araucária no Programa de Extensão - Lutas, Artes Marciais, Esporte de Combate e Inclusão Social nas escolas do Paraná, e será contemplado com R$ 111.111,11.

O projeto oferece treinos gratuitos para estudantes de escolas estaduais, buscando oportunizar o judô como prática, não só de esporte e lazer, mas também de educação e cidadania para praticantes em vulnerabilidade social.

Além disso, o esporte busca ainda possibilitar a inclusão e socialização de pessoas com deficiência visual, psicose infantil, hiperatividade dentre outras, proporcionando a melhora do desempenho e o crescimento dentro da modalidade, promovendo assim, a prática do judô como elemento de inclusão social.

Até o momento, o projeto formou 15 faixas pretas, sendo que todos atuaram como colaboradores no próprio projeto e a maioria, agora como profissional, estão atuando como professores de judô em diversas cidades da nossa região, destaca o coordenador Edilson Hobold. “A partir disto, é possível afirmar que o esporte vem se tornando essencial para a formação educacional, física e de caráter dos seus praticantes, especialmente quando se encontram em situação de vulnerabilidade”.

Desde o início do projeto, muitos atletas se destacaram em nível estadual, nacional e internacional, ressalta Edilson. “O alto rendimento é um dos objetivos a longo prazo, sendo assim, como são mais de duas décadas de projeto, já tivemos o privilégio de termos atletas campeões nacionais e até sul-americano. Alguns de nossos alunos já integraram a Seleção Brasileira de Judô".

Processo

Após a divulgação e orientação das direções, os colégios estaduais da cidade indicarão 160 alunos de ambos os sexos. Alunos remanescentes das turmas anteriores do projeto também poderão participar.

A princípio, pretende-se montar seis turmas, distribuídas no período matutino e vespertino, com no máximo 30 alunos cada uma. Os treinos serão realizados duas vezes por semana e terão a duração de 60 minutos.

O coordenador explica que serão desenvolvidas aulas teórico/práticas sobre histórico, desenvolvimento e filosofia do judô, fundamentos básicos e específicos do esporte, palestras sobre disciplina, higiene, saúde, educação, cidadania dentre outros temas relevantes, além de regras e condutas do judoca.

Ademais, serão realizados módulos de avaliações antropométricas e físicas dos alunos deste projeto. “Serão mensurados: massa corporal, estatura, altura troco-cefálica, circunferências, diâmetros e dobas cutâneas. Serão aplicados também testes de aptidão física. Estas medidas e avaliações servirão para acompanhar o crescimento e desenvolvimento dos alunos enquanto permanecerem no projeto e com a respectiva autorização dos pais ou responsáveis, estes dados serão utilizados para produzir e publicar conhecimentos sobre o treinamento de Judô para esta faixa etária em questão”.

Os primeiros meses serão voltados à estruturação, compra de materiais e organização. As aulas devem iniciar em maio ou junho, dependendo da questão da pandemia.

Resultados esperados

Em todos esses anos de realização, houve a contribuição efetiva para mais de 3.000 crianças, adolescentes e jovens que participaram do projeto. O coordenador do projeto afirma que para estes novos participantes, espera-se que o judô contribua para formação educacional, social e disciplinar. “Os resultados esperados envolvem a promoção de conhecimento específico teórico e prático da modalidade, além do desenvolvimento de coordenação motora, força, resistência, flexibilidade, formação do caráter dos participantes, além de oportunizar aos alunos a progressão de conhecimentos dentro da modalidade, através de competições (regionais e estaduais), exames e promoção de faixas”. Nesses eventos, os alunos do projeto participarão de maneira igualitária com alunos de entidades particulares.

Também pretende-se colaborar com os bolsistas acadêmicos para que tenham uma formação complementar de qualidade, especificamente trabalhando com judô, vivenciando suas potencialidades e dificuldades. “Serão estimulados à produção de conhecimento e divulgação em eventos e periódicos científicos”, finaliza.

Casa de not%c3%adcias 1144x250px %281%29