Casa

EDUCAÇÃO

Curso de Ciências Sociais apresenta trabalho sobre o acesso de surdos ao mercado de trabalho

Estudantes buscaram entender as condições em que os surdos trabalham e quais os empregos em que as leis de inclusão são respeitadas.
29/03/2022 - 17:53
Por Assessoria


Os estudantes do quarto ano de Ciências Sociais, do Campus de Toledo da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), realizaram o evento 'Roda de Conversas: Acessibilidade Comunicacional das Pessoas Surdas no Mercado de Trabalho'. Durante o evento os alunos apresentaram trabalhos sobre a condição das pessoas surdas no mercado de trabalho. A roda de conversas teve a participação dos estudantes de Ciências Sociais, de intérpretes de LIBRAS, de alunos de Letras Português-LIBRAS da FAG e de integrantes da comunidade surda de Toledo. O evento marcou o encerramento da disciplina de LIBRAS no semestre ofertado no curso.

Nos trabalhos apresentados, os estudantes buscaram entender as condições em que os surdos trabalham e quais os empregos em que as leis de inclusão são respeitadas. De acordo com a atividade  apresentada, os surdos têm inclusão parcial no ambiente de trabalho, com comunicação limitada junto aos colegas, pois estes não falam LIBRAS. Outro aspecto apontado nos trabalhos é a perspectiva de crescimento profissional dentro da empresa, com menos opções para os surdos em relação aos ouvintes.

Jean Michael Lira, um dos surdos presentes no evento, tradutor e intérprete  fluente em ASL (Língua Americana de Sinais, na Libras e no português), relatou que entre as dificuldades encontradas pelos surdos nas empresas está a falta de diálogo com os colegas, pois estes não sabem falar em LIBRAS. “Nos sentimos como fantasmas, as pessoas não sabem falar o básico conosco, um 'bom dia' ou um 'obrigado'. Às vezes um fala que está fazendo o curso básico de LIBRAS, ficamos felizes, mas ele logo é transferido de setor ou é promovido e não temos mais contato”, relata.

Os estudantes deram como sugestões para ampliar a inclusão dos surdos ao ambiente da empresa, medidas que podem ser de curto, médio e longo prazo, por exemplo, a adoção de placas de sinalização em LIBRAS (junto às placas utilizadas em português, pois muitos não sabem o português); e cursos de formação para os funcionários ouvintes, aliado a períodos de conversação semanais apenas em LIBRAS.